sexta-feira, 29 de novembro de 2013

TRABALHADORES EM GREVE: Trabalhadores da ACF Engenharia, Terceirizados prestadores de serviço à Petrobrás, nas plataformas do Ceará, Estão em Greve a 5 dias por melhorias salariais

A VERDADE SOBRE A TERCEIRIZAÇÃO

"É a flexibilização do não cumprimento das Leis Trabalhistas, que mutuamente se fazem entre tomador e prestador de serviços, tendo ao tomador de serviços a vantagem de exigir dos trabalhadores envolvidos, os deveres para com as suas necessidades, isentando-se das obrigações trabalhistas, e ao prestador a vantagem da lucratividade, ignorando também, o cumprimento das leis trabalhistas, e ao trabalhador, o ônus da má administração."

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Força Sindical decide intensificar luta pela Pauta Trabalhista

Decisão tomada em reunião nacional da central em Brasília no dia 26 de novembro.


Miguel Torres à frente da reunião

A Força Sindical decidiu intensificar a luta pela Pauta Trabalhista. A reunião, com participação de sindicalistas de todos os Estados, aconteceu no dia 26 de novembro, em Brasília.

A Pauta Trabalhista é composta por uma série de bandeiras, com destaque para a manutenção da política de reajustes anuais do salário mínimo, reajuste para os aposentados, correção da Tabela do Imposto de Renda, redução da jornada de trabalho, fim do Fator Previdenciário, juros menores, fim das terceirizações e combate à rotatividade no mercado de trabalho.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Centrais protestam em Brasília contra juros altos e exigem aprovação da Pauta Trabalhista

Miguel Torres participa e lidera manifestações do lado de Paulinho da Força


Miguel Torres em frente ao Banco Central

Cerca de 3 mil manifestantes da Força Sindical, incluindo os metalúrgicos filiados à CNTM, e representantes de outras centrais sindicais, realizaram nesta terça-feira, 26 de novembro, em frente ao Banco Central, em Brasília, um protesto contra os juros altos. É que nesta mesma data inicia-se a reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) para decidir sobre a nova taxa Selic, que hoje é de 9,5%.

Vale destacar que, ao longo dos últimos meses, o Copom aumentou seguidamente a taxa Selic. A preocupação das entidades sindicais é que hoje o Brasil é campeão mundial de juros reais e uma nova alta nas taxas pode prejudicar ainda mais o comércio do final de ano, causando estagnação na produção e na geração de empregos.

Força Sindical fará protesto contra juros hoje


A Força Sindical, juntamente com as demais centrais, realizará hoje (dia 26), às 11 horas, em frente o Banco Central, em Brasília, um protesto contra os juros altos. É que nesta mesma data inicia-se a reunião do Copom (Comitê de Política Monetária) para decidir sobre a nova taxa Selic, que hoje é de 9,5%.

Dirigentes e trabalhadores da Força Sindical de todas as partes do País irão participar do ato, que terá faixas como: Jurão e Pibinho, dupla preferida do governo. É preciso destacar que, ao longo dos últimos meses, o Copom aumentou seguidamente a taxa Selic. A preocupação das entidades sindicais, é que hoje o Brasil é campeão mundial de juros reais, e uma nova alta nas taxas pode prejudicar ainda mais o comércio do final de ano, causando estagnação na produção e na geração de empregos.

“O governo precisa entender que a política de juros altos só prejudica o setor produtivo, o comércio e a geração de postos de trabalho dignos", alerta o presidente da Força Sindical, Miguel Torres.

FONTE: Assessoria de imprensa da Força Sindical

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Ato em Brasília contra juros altos e pela Pauta Trabalhista

26 de novembro: metalúrgicos estarão presentes para fortalecer a luta

A Força Sindical, nossas entidades filiadas (entre elas a CNTM), e as demais centrais sindicais vão ocupar as ruas de Brasília no dia 26 de novembropara protestar contra o aumento dos juros, para reforçar as reivindicações da pauta trabalhista e para exigir mudanças na política econômica.

Neste dia e no dia seguinte, o Comitê de Política Econômica (Copom) do Banco Central estará em reunião para elevar a taxa de juros, hoje em 9,5% ao ano. Diz o governo que o objetivo do juro alto é reduzir a inflação.

Já há algum tempo o Copom vem promovendo um aumento da taxa. A Força Sindical, junto com as demais centrais, vem há anos demonstrando que inflação se combate com medidas relacionadas ao aumento da produção e à valorização dos salários.

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Metalúrgicos do Nordeste e CNTM debatem Conjuntura e Desafios do Movimento Sindical

  

Seminário contou com a presença do presidente da CNTM e Força Sindical Miguel Torres.


Federação dos Metalúrgicos do Nordeste, presidida pelo companheiro José Fernandes, e a CNTM, presidida por Miguel Torres, também presidente da Força Sindical, realizaram nesta quinta-feira, 14 de novembro, um seminário estadual para 30 líderes de Sindicatos de Metalúrgicos do Nordeste e da Federação.

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Força Sindical faz protesto contra Fator Previdenciário e pela correção da tabela do IR


Uma passeata da Praça da Sé até o Viaduto Santa Ifigênia em São Paulo reuniu cerca de 3 mil trabalhadores ligados à Força Sindical, e as demais centrais sindicais,  em um protesto pelo fim do fator previdenciário e pela correção da tabela do Imposto de Renda (IR).

Estamos nas ruas para falar do fator que já devia ter acabado há muito tempo. O Fator é um desastre porque tira 40% do benefício no ato da aposentadoria. Já a tabela do IR precisa ser reajustada pela inflação, caso contrário os aumentos reais conquistados pelas categorias serão corroídos no pagamento do Imposto de Renda”, declarou Miguel Torres, presidente da Força Sindical, CNTM e Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo.

Vale lembrar que a tabela do IR está defasada em 62,77%. Os trabalhadores cobram que o governo faça a correção da tabela todos os anos porque, caso contrário, o imposto corrói os reajustes conquistados me usas campanhas salariais. Já o fator é um critério utilizado para calcular o valor das aposentadorias, considerando o tempo de contribuição, idade e expectativa de vida, que reduz o valor do benefício em até 40%.

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Ato contra o Fator Previdenciário e pela Correção da Tabela do Imposto de Renda será na terça-feira, 12 de novembro

Centrais mobilizam categorias filiadas em todo o País.


A Força Sindical, suas entidades filiadas (entre elas a CNTM), e as demais centrais sindicais realizarão novas manifestações em todo o País neste mês de novembro para reforçar as reivindicações da pauta trabalhista e defender os direitos da classe trabalhadora brasileira.

Na terça-feira, dia 12, teremos atos em todo o Brasil pelo fim do Fator Previdenciário e pela Correção da Tabela do Imposto de Renda. Em São Paulo, os manifestantes irão se concentrar a partir das 9h na Praça da Sé.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Líderes da Força Sindical reúnem-se com Ministro do Trabalho

Com presença de Miguel Torres, presidente da Central e da CNTM.

Foi realizada nesta sexta-feira, 8 de novembro, uma reunião de dirigentes da Força Sindical com o Ministro Manoel Dias, na Superintendência Regional do Trabalho, em São Paulo. Miguel Torres, presidente da Força e da CNTM, esteve presente ao encontro que tratou de temas atuais de interesse da classe trabalhadora, incluindo a necessidade de o Ministério do Trabalho e Emprego voltar a ter protagonismo nas relações de trabalho no País.


Luiz Antonio de Medeiros, superintendente da Regional de São Paulo, acompanhou o encontro, que também contou com as presenças de Sérgio Luiz Leite, o Serginho, presidente da FEQUIMFAR e 1° secretário da Força Sindical, Danilo Pereira da Silva, presidente da Força Sindical SP e vice-presidente da Federação dos Químicos, Eunice Cabral e Sérgio Marques, do setor têxtil e vestuário, Pereira da Secretaria de Formação da Força Sindical, Paulo Ferrari, do setor de edifícios, Carlão e João do setor de alimentação.

Por Redação CNTM, com informações da FEQUIMFAR

 FONTE: VAL GOMES (ASSESSOR DE COMUNICAÇÃO CNTM)


quinta-feira, 7 de novembro de 2013

COMUNICADO DE RECESSO DA FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES METALÚRGICOS DO NORDESTE




Centrais Sindicais e Técnicos do Ministério da Fazenda discutem mudanças no Seguro-Desemprego

A Força Sindical e demais centrais vão se reunir hoje (dia 7), às 16 horas, em São Paulo, com técnicos do Ministério da Fazenda para discutir mudanças nas regras do seguro-desemprego e a correção da tabela do IR.

Na reunião, a Força Sindical apresentará o quadro de contas do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador). Segundo Miguel Torres, presidente da Central, o governo retirou do FAT, neste ano, cerca de R$ 10 bilhões, por meio da DRU (Desvinculação de Receitas da União).

Outras medidas nefastas para as quais as centrais sindicais já alertaram são as desonerações: renúncias fiscais que beiram a R$ 9 bilhões e que não tiveram as contrapartidas sociais exigidas pelos trabalhadores, como a diminuição da rotatividade da mão de obra.

A reunião será na sede da Presidência da Repúiblica, em São Paulo, na Avenida Paulista, nº 2.163.


FONTE: Assessoria de Imprensa da Força Sindical

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Federação dos Trabalhadores Metalúrgicos do Nordeste fecha Convenção Coletiva de Trabalho 2013/2014

A Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico, Eletrônico, Concessionárias e Similares do Nordeste e o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas Mecânicas e de Material Elétrico no Estado do Ceará (SIMEC), fecharam hoje, dia 06 de novembro de 2013, a Convenção Coletiva de Trabalho 2013/2014, para os trabalhadores metalúrgicos do Estado do Ceará, nos municípios onde não existem Sindicato da categoria profissional na base. Depois de várias reuniões, as partes acordaram os seguintes valores:

1. Reajuste Salarial: 8% (oito por cento)

Serão aplicados nos salários vigentes em maio de 2012, sendo que: as diferenças salariais entre maio de 2013 e outubro de 2013, decorrentes do Reajuste e do novo Piso, serão pagas até 28/02/2014.

2. Piso Salarial: R$ 732,00 – a partir de 01 de maio de 2013.

3. Participação dos Lucros ou Resultados da empresa(PLR):

Empresas com até 70 empregados: PLR no valor de R$ 538,00
Empresas com mais de 70 empregados: PLR no valor de R$ 732,00

Ainda com relação a PLR, foi acordado que seria pago em duas parcelas iguais: a primeira até 28/02/2014 e a segunda até 30/05/2014.

As demais cláusulas da CCT 2012/2013, serão mantidas, reajustando somente as cláusulas de natureza econômica em 8% (oito por cento), a partir de 01 de maio de 2013.


terça-feira, 5 de novembro de 2013

Centrais usam reunião com Mantega para apresentar lista de reivindicações

O governo chamou as centrais sindicais para negociar a redução dos gastos com abono salarial e seguro-desemprego numa tentativa de reduzir o déficit nas contas públicas. As centrais, por sua vez, decidiram aproveitar esse momento de aproximação, raro na administração Dilma Rousseff, para apresentar outras demandas.
Ao sair ontem de reunião de mais de duas horas com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em São Paulo, o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas, se dirigiu aos jornalistas para mandar um recado: "Fazia tempo que o governo não chamava os sindicatos para ouvi-los. Mas não discutiremos apenas uma ou outra questão pontual", disse, junto a outros sindicalistas, antes mesmo de Mantega comentar os resultados do encontro. 
O ministro chamou as centrais sindicais com o objetivo de discutir medidas para conter os gastos com o seguro-desemprego e o abono salarial que, segundo Mantega, podem representar uma despesa de R$ 47 bilhões esse ano. Se confirmado, o valor será 8% maior do que o que foi gasto no ano passado.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Fazenda quer ampliar regras para pagar Abono

A proposta que vem sendo desenhada pelo secretário de Política Econômica, Marcio Holland, para conter a aceleração das despesas com abono salarial prevê um aumento no número de meses trabalhados para que o benefício seja liberado, segundo fontes da área econômica. Além disso, o valor poderá ser proporcional ao período em que ficou empregado. A Fazenda quer discutir com as centrais sindicais mudanças no pagamento do abono e do seguro-desemprego para conter seu impacto crescente nas despesas públicas.
Atualmente, com apenas um mês de trabalho o empregado tem direito ao abono salarial integral, correspondente a um salário mínimo (R$ 678). No passado, se cogitou exigir pelo menos três meses no emprego para liberação do benefício. Para ter acesso ao abono salarial, o trabalhador, que recebe até dois salários mínimos, precisa ficar empregado durante 30 dias, consecutivos ou não. Além disso, precisa estar cadastrado no PIS/Pasep há pelo menos cinco anos.

Governo desiste de mudanças na Previdência Social

Entre as medidas está a alternativa ao fator previdenciário.Ministro Garibaldi Alves afirma que não há condições políticas de se promover uma reforma em ano de eleição

responsável pelo rombo nas contas públicas anunciado ontem, a Previdência Social ficará como está no restante do governo de Dilma Rousseff. Em entrevista ao Estado, o ministro da Previdência, Garibaldi Alves, afirmou que o governo desistiu de enviar ao Congresso medidas como mudanças nas regras de pagamento de pensão e uma alternativa ao fim do fator previdenciário, que poderiam melhorar o resultado das contas previdenciárias. "Não há condições políticas necessárias para se efetivar uma reforma dessa complexidade num ano eleitoral", disse.
 A mudança no regime de pensionistas, na avaliação do ministro, pode ter mais apoio da sociedade, mas deverá enfrentar resistência no Congresso. "As pessoas não têm ideia de que financeiramente as pensões representam muito. A viúva, se casa novamente, usufrui; se os filhos se tornam autônomos, têm sua independência, ela usufrui. Eu sei que teria o apoio da opinião pública, mas num ano eleitoral não seria assimilado."